quinta-feira, 19 de março de 2009

pré-beleza

Num dos nossos distantes dias de meninas, ela lembrou-me : 
- Que graça há na bailarina, tão imediatamente traduzida em gestos. Na facilidade de cada gesto preciso, estão inscritas horas e horas, dias e dias, de uma repetição invisível.


(Voltarmos à Tabula Rasa é inscrevermo-nos no fluxo de possibilidades que antecedem o concreto final, o público, a beleza dada a ver. )

Ballerine, Gustav Machaty, 1936

Sem comentários: