sexta-feira, 20 de março de 2009

Salomé.


The Climax, segundo Beardsley.
O famoso artista inglês (1872-1898) várias vezes ilustrou o mito de Salomé.



(...) Por que não me olhas, Iocanaan? Teus olhos, que eram terríveis, tão cheios de ódio e escárnio, estão fechados agora. Por que estão fechados? Abre-os! Ergue as pálpebras, Iocanaan! Por que não me olhas? Estás com medo de mim, Iocanaan, e por isso não me olhas? E a tua língua, que era como uma serpente vermelha expelindo veneno, não se move mais, nada diz agora, Iocanaan, aquela víbora vermelha que cuspilhava veneno contra mim? É estranho, não? Como é que a víbora vermelha já não se move?... Consideraste-me ninguém, Iocanaan. Desprezaste-me. Pronunciaste ignóbeis palavras contra mim. Trataste-me como uma meretriz, uma dissoluta, a mim, Salomé, filha de Herodíade, princesa da Judéia! Bem, Iocanaan, eu estou viva; mas tu estás morto e tua cabeça me pertence (...)
— Salomé no drama teatral de Oscar Wilde, segurando a cabeça decepada de Iocanaan (João Batista)




SUNSET BOULEVARD: BILLY WILDER (1950)

Sem comentários: