quarta-feira, 25 de julho de 2018

''morreu com uma cãibra no coração''



a queda do progresso português:


a) levantou-se para tirar a mala do compartimento
e morreu com uma cãibra no coração. 


b) desliguei a ficha da tomada, morremos todos,
repetidos, ficaram os espectros, mas naquele segundo implosivo,
high-poe-tech-trisia: as almas montadas nas costas dos abutres
enchem a barriga de caras conhecidas e há uma extensão até bruxelas
que ninguém usa - informa a rapariga inglesa do tempo, o atlântico
pisca, de mail em mail, num visor passa uma nova montagem:
uma mulher começa a cantar mas depois chora e os músicos também,
na sala estão antigas unidades de informação , mas todos os azulejos
desligados, sem profundidade, caiem, os corredores de ferro onde se
cruzavam os planetas ficam desertos, a religião espera que o processador
entenda o tal tão falado livro.


c) faz bem ao coração marcar um golo ao nosso país - dizia o jovem
português naturalizado canadiano, filho do europeu morto em a).

Sem comentários:

Enviar um comentário