domingo, 28 de junho de 2015

a miséria dos minutos, / a força sustida das coisas, / a redonda e livre harmonia do mundo.

''No fundo de toda a beleza jaz qualquer coisa de inumano, e essas colinas, a doçura do céu, esses desenhos de árvores, eis que nesse mesmo minuto perdem o sentido ilusório de que os revestíamos, agora mais longínquos do que um paraíso perdido.''
ALBERT CAMUS, o Mito de Sísifo


Ana-ta-han, Sternberg, 1953

deixamos o espaço às coisas e tapamos com mantas de imagens 
os olhos, a noite é mais pesada que os nossos corpos, muito mais
fria
PER AAGE BRANDT

Sem comentários: