domingo, 25 de maio de 2014

noite


noite após noite
o tempo escapa 

hei-de amar a folha em branco 
como se ama uma pedra



Sem comentários:

Enviar um comentário