quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Salve, perene horror!

Adeus, felizes campos, onde mora
Nunca interrupta paz, júbilo eterno!
Salve, perene horror! Inferno, salve!
Recebe o novo rei cujo intelecto
Mudar não podem tempos, nem lugares;
Nesse intelecto seu, todo ele existe;
Nesse intelecto seu, ele até pode
Do Inferno Céu fazer, do Céu Inferno.

Paraíso Perdido John Milton Canto I

L'Itinéraire de Jean Bricard, Jean-Marie Straub (2008) 

Sem comentários: