sábado, 7 de abril de 2012

"Representa uma polémica de imagens."


(filme)

Representa um clima narrativamente simples, manifesto e corporal. 
O modelo do espaço é este : múltiplo, mútuo, desenvolvido numa íntima velocidade pontual.
A implícita caligrafia da terra ao modo de uma beleza decifrada a custo; a argúcia nos meandros do gosto.
Representa uma polémica de imagens.
Pronunciada numerosamente, a passagem dos dedos imbuídos de cerimónia, correndo os mesmos riscos de transferência na pronúncia de formas.
Representa uma leitura apurada e principal: propriedade nos campos do tempo sob as câmaras da luz exterior.
É uma voz adepta de espelhos giratórios, amante da astronomia, do nascimento, da solidão.
Representa uma estirpe dinâmica na maneira de uma festa a duas mãos, brusca e tenebrosa como a invenção da beleza.
Representa uma composição rítmica - inundada, cega, móvel - praticando o fundo do tempo.
Corre a posição antiga.
Uma minúcia branca que faz lembrar: é a prolixa fábrica do pormenor.
Representa a montagem do conhecimento essencial: o nascimento das linhas, as quimeras da combustão.
Instrumento pessoalmente puro: um motor.
Representa uma barreira de luz independente - a pessoa: ilha emigrada, trabalho explosivo e negro.
Então o clima pensa, os centros saem, o lugar dificulta-se com água.
Representa uma recitação recriando a vida solitária, a sua casa noutra parte da luz.
Minas onde a água se demora e morre.
Depois representa um jardim de prata convulsa, penhascos que anoitecem - e ao fundo a luz correndo sobre linhas frias.
Representa uma praça interior que se agrava com uma enchente de estátuas fortes.
Representa o bater dactilográfico das pálpebras na brancura incondicional, o deserto assinado.
Representa a escrita.
E agora duas mãos pormenorizadas matriculam-se, são estudantes, decifram. 
Representa a criação do espaço ilustrado com gestos mudando uns para os outros - um ritmo documentado apressa-se para a escrita.
Representa uma fotografia que se insurge: violenta, branca.

PHOTOMATON & VOX, Helberto Hélder, 2006

Sem comentários: