: Conversas em Maio

Leave a Comment
LES CINÉPHILES 1: LE RETOUR DE JEAN, Sckorecki, 1988

> Sobre a politização da estética (cinematográfica)
Hora : Terça-feira, 3 de Maio · 15:00 - 18:00 Local: Faculdade de ciências sociais e humanas -UNL
Edifício I&D, Sala 07, Piso 0, Av. de Berna, 26
Lisbon, Portugal
Mais informação:
por André Dias e Ilana Feldman
Sessão 7 do Seminário Questões de estética

Se tomarmos como campo a análise da expressão cinematográfica, somos forçados a reconhecer nela uma dimensão política, intrínseca mas não por isso necessariamente privilegiada, que se revela afinal irredutível. Estas obras parecem constituir uma expressão do pensamento que, significativamente, é capaz de mostrar, de construir “visibilidades” que resistem aos discursos. Para apreender a especificidade deste modo de conhecimento temos de ser capazes de focar a sua composição, i.e., a sua (hetero)génese, as potencialidades e perigos que acolhe, e, sobretudo, o processo aberto das suas capacidades (habitualmente entendidas como) formais. Isto porque, presa entre as pesadas heranças do formalismo e da ideologia, a leitura dessa dimensão política se dissipou em dois processos: por um lado, numa acentuada metaforização da política na forma; por outro, numa delimitação excludente da política na arte. Como poderão então os paradoxos (políticos) do contemporâneo, mais expressos do que representados pelo cinema, ser aproximados pela atividade crítica? É que, pela sua natureza de arte popular e proximidade a um “conteúdo” (visível), o cinema é particularmente permeável a investimentos culturais que, muitas vezes, negligenciam a sua materialidade, a própria sensualidade, em prol de definições apressadas e funcionais. O desafio é aqui, portanto, o de tatear essa relevância política sem nesse gesto atribuir valor às instâncias ideológicas, concentrando-nos nos problemas que constituem, simultaneamente, figurações das condições do mundo e das capacidades de cada obra em expressá-las, bem como nos paradoxos tantas vezes aí apresentados que oferecem resistência ao entendimento do mundo em que vivemos. Um dos paradoxos a partir do qual partimos é o da biopolítica contemporânea, estratégia através da qual as imagens e sons que conformam o cinema contemporâneo não se dissociam do modo como a política opera sobre a vida e, simultaneamente, do modo como a vida se torna um operador da política.


> Conversa sobre Heiner Müller, com Jorge Silva Melo

- ENTRADA LIVRE

Data: Sábado, 7 de Maio · 17:00 - 18:00
Local: Casa Conveniente
Rua Nova do Carvalho, 11 (em frente ao bar Jamaica)
Lisboa


> Debate : Cinema na RTP2
Hora: quinta-feira, 12 de Maio · 18:00 - 21:00 Local: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - UNL, Av. Berna, 26-C, Auditório 2, Piso 3, Torre B (principal - à direita) Mais informação:
Depois do cancelamento do debate do dia 5 de Abril, devido à morte trágica de um colega, temos agora a felicidade de convidar todos os interessados a virem assistir e participar no debate Cinema na RTP2, com as presenças do DR. JORGE WEMANS, director da RTP2, do DOUTOR PAQUETE DE OLIVEIRA, sociólogo e ex-Provedor do Telespectador RTP, e dos Professores Doutores JOÃO MÁRIO GRILO e FRANCISCO RUI CÁDIMA, bem como de dois representantes da Petição Pelo Regresso da Exibição Regular de Cinema.
O debate acontecerá dia 12 de Maio (uma quinta) na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (Av. de Berna), auditório 2, piso 3, torre B (a principal), às 18h em ponto.
Apareçam nesta iniciativa puramente cívica a favor da arte e da cultura. E, por favor, passem a palavra.

-----
PETIÇÃO ONLINE (ASSINE!): http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2010N2948
QUEM NOS SUBSCREVE (VEJA!): http://www.imageloop.com/slideshow/9bd19b5c-d4aa-11ac-b6e8-12313b030221
FACEBOOOK (GOSTE!): http://www.facebook.com/pages/Pelo-regresso-da-exibi%C3%A7%C3%A3o-regular-de-cinema-%C3%A0-RTP2/112201078836298?ref=ts
BLOGUE (SIGA!): http://peticao-rtp2-cinema.blogspot.com/


> Debate: Na Grécia e Aqui: Fora com o FMI
Data: Sexta-feira, 13 de Maio às 21:00 - 14/5 às 2:00 Local: Bar Palmeiras Debate com : Filipa Gonçalves, Activista regressada da Grécia
Mariana Mortágua, Economista


A APSR está organizar várias sessões de debates, sendo esta a primeira, sobre o que tem sido esta crise, quais as soluções que nos apresentam, e o que podemos fazer perante este cenário.
Com uma perspectiva do que está a passar na Grécia, que consequências trouxe e que lutas se têm travado, mas também o que significa a entrada do FMI em Portugal e que lutas podemos travar aqui.

0 comentários:

Sabrina D. Marques © 2005-2015. Com tecnologia do Blogger.

Archives