domingo, 30 de março de 2008

Definitivamente


É A MELHOR MÚSICA DA EUROVISÃO DE SEMPRE.
Dêem de uma vez o prémio à França e deixem-se de histórias.
É o que defendem os DJ YEAH! neste blog.

Sébastien Tellier
Divine


''The war was over and the world was fallin in love again"





Joana Linda

Linhas.








Garden of Women (1954)
dir. Keisuke Kinoshita

quinta-feira, 27 de março de 2008

I'M NOT THERE.



Entrei expectante.



Saí satisfeita.

quarta-feira, 26 de março de 2008

Uns são portugueses e os outros gostavam de ser :


THE PORTUGALS
GIVE IT TO ME



PORTUGAL, THE MAN
SHADE

!


BEIRUT
cá.

a 24 de Julho, no Festival de Músicas do Mundo, em Sines.
&
a 27 de Julho, no Coliseu.

''a felicidade também tem as suas lágrimas."

DEAD COMBO
CUBA 1970

TOP 90s.



Parece que se andam por aí a fazer listas dos melhores filmes dos anos 90. Pois aqui fica a minha:


1. American Beauty

2. _ 
3. _ 
4. _
5. _
6. _
7. _
8. _
9. _
10. _

NOSFERATU.




"E quando chegou ao outro lado da ponte, os fantasmas vieram ao seu encontro."
(dos intertítulos de Nosferatu, Murnau, 1922)

sexta-feira, 21 de março de 2008

Até que seja reparada a justiça.

Que ao cair morto um homem, ninguém
prossiga vivo.
Ponhamo-nos todos a morrer,
ainda que lentamente,
até que seja reparada a injustiça.
- Roberto Fernández Retamar


by BILL BRANDT

A minha vida será esperar-te sem palavras :



THE BRIDGES OF MADISON COUNTY
Clint Eastwood (1995)


Canções de porquês

The Song Of Wandering Aengus Analysis


I went out to the hazel wood,

Because a fire was in my head,

And cut and peeled a hazel wand,

And hooked a berry to a thread;

And when white moths were on the wing,

And moth-like stars were flickering out,

I dropped the berry in a stream

And caught a little silver trout.

When I had laid it on the floor

I went to blow the fire aflame,

But something rustled on the floor,

And some one called me by my name:

It had become a glimmering girl

With apple blossom in her hair

Who called me by my name and ran

And faded through the brightening air.

Though I am old with wandering

Through hollow lads and hilly lands.

I will find out where she has gone,

And kiss her lips and take her hands;

And walk among long dappled grass,

And pluck till time and times are done

The silver apples of the moon,

The golden apples of the sun.


Que isto só me faz lembrar a talentosa Maçã de Prata!

A criança roubada.

The Stolen Child

Where dips the rocky highland
Of Sleuth Wood in the lake
There lies a leafy island
Where flapping herons wake
The drowsy water-rats;
There we’ve hid our faery vats,
Full of berries
And of reddest stolen cherries.
Come away, O human child!
To the waters and the wild
With a faery, hand in hand,
For the world’s more full of weeping than you can understand.

Where the wave of moonlight glosses
The dim grey sands with light,
Far off by furthest Rosses
We foot it all the night,
Weaving olden dances,
Mingling hands and mingling glances
Till the moon has taken flight;
To and fro we leap
And chase the frothy bubbles,
While the world is full of troubles
And is anxious in its sleep.
Come away, O human child!
To the waters and the wild
With a faery, hand in hand,
For the world’s more full of weeping than you can understand.

Where the wandering water gushes
From the hills above Glen-Car,
In pools among the rushes
That scarce could bathe a star,
We seek for slumbering trout
And whispering in their ears
Give them unquiet dreams;
Leaning softly out
From ferns that drop their tears
Over the young streams.
Come away, O human child!
To the waters and the wild
With a faery, hand in hand,
For the world’s more full of weeping than you can understand.


Away with us he’s going,
The solemn-eyed:
He’ll hear no more the lowing
Of the calves on the warm hillside
Or the kettle on the hob
Sing peace into his breast,
Or see the brown mice bob
Round and round the oatmeal-chest,
For he comes, the human child,
To the waters and the wild
With a faery, hand in hand,
For the world’s more full of weeping than you can understand.

YEATS

quarta-feira, 19 de março de 2008

O peso do sangue


De vez em quando a insónia vibra com a
nitidez dos sinos, dos cristais. E então, das duas
uma: partem-se ou não se partem as cordas tensas
da sua harpa insuportável.
No segundo caso, o homem que não dorme
pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo
e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração.
 
Carlos De Oliveira
Sobre o lado esquerdo
1968




A ORIGEM DO MUNDO, de Courbet
de Jean Baptiste Mondino

STEREODOX - Hotel do leite neutro

NEUTRAL MILK HOTEL
KING OF CARROT FLOWERS

PARTE 1

PARTES 2 E 3

Feathers on my breath.


Tear Drops
JOSE GONZALEZ

Para o dia do Gabriel.

FREE TIBET



Depois do post anterior, tinha de vir este. Está na ordem do dia e é preocupante. Conflitos, presos políticos, manifestações, mortes, refugiados, intermináveis batalhas de acusações entre Dalai Lama e Jiabao.
O primeiro ministro britânico, Gordon Brown, decidiu hoje intervir pelo fim da violência. Quer promover o diálogo entre os líderes tibetano e chinês para que cessem os conflitos, causa comum à Campanha Internacional pelo Tibete . Dalai lama, exílado depois da revolta, afirma que não defende a auto-determinação do território mas sim uma autonomia "significativa" para a região, que preserve a sociedade, a cultura, a língua e o ambiente no Tibete, tendo já aceitado encontrar-se com Gordon Brown.
Segundo Brown, que diz ter conversado pelo telefone com Jiabao, o primeiro ministro chinês aceitou conversar com Dalai Lama, caso este não reclame a independência do território e apoie o fim da violência.
A conduta diplomática de Gordon Brown foi louvável, respondendo ainda às pressões dos organismos internacionais, salvaguardando os interesses comerciais do Reino Unido com o a China, um dos seus principais parceiros comerciais, e recebendo ainda elogios de Cameron, o líder da oposição.
No entanto, a reunião entre os líderes, segundo crenças da imprensa britância, deverá acontecer em Maio. E enquanto isso, pergunto eu? Vamos deixar que os monges tibetanos se continuem a suicidar para não serem perseguidos e que os jovens estudantes que se manifestam sejam mortos pelo exército chinês??

O TRABALHO NA CHINA > Os corpos são peças da máquina oleada

FOTOGRAFIAS DE EDWARD BURTYNSKY





"Burtynsky sempre se interessou pela transformação da paisagem e do território por acção do Homem e, em especial, pela Indústria. Há algo de filosófico em tudo isto. Segundo ele, as grandes etapas da evolução humana são medidas pelo uso e exploração das matérias-primas que a Terra fornece: a Idade da Pedra, dos Metais, do Carvão, do Petróleo, etc. Nos seus trabalhos procura captar em pormenores e em contrastes a dialéctica entre um ser humano que na sua procura por um ambiente mais confortável o consome e delapida rapidamente. Essas imagens de contradição são por ele entendidas como uma metáfora dos tempos modernos. A sua recente reportagem sobre o trabalho manufacturado na China é exemplar sob esse ponto de vista.
Se calhar já todos sabíamos - ou pelo menos imaginávamos - que seria assim. Porém, as imagens realizadas pelo fotógrafo revelam não apenas o detalhe como a vastidão dessa realidade que é a produção industrial ou semi-industrial chinesa. Toda esta produção que absorve uma fatia cada vez maior do mercado mundial (70% das decorações de Natal, 29% dos aparelhos de televisão, 75% dos brinquedos e provavelmente 100% das t-shirts) provém da China e do trabalho manual de milhões de chineses.
Cada trabalhador é, no fundo, uma peça de uma enorme máquina de produção bem oleada. Esta rede humana estende-se a um vasto território como um pano de fundo uniforme. Os padrões repetem-se até à exaustão de uma forma ordenada e doentia. Não há excepções à regra nas cidades, nas casas, nas ruas, nas províncias. Até as cores são padronizadas. As fotos de Burtynsky são disso reveladoras mas não são isentas de beleza. Lembram as pinturas gestuais de Pollock. E, aqui, também o gesto é tudo."


FONTE= http://blog.uncovering.org/archives/2008/03/trabalho_na_china.html

terça-feira, 18 de março de 2008

STEREDOX : Destaques


A Hawk and a Hacksaw


MYSPACE-->OBRIGATÓRIO!!




Beirut
NANTES

POSTCARDS FROM ITALY!!!


SITE OFICIAL.

"The voice of a broken generation."



Os HYPERS são cool.

segunda-feira, 17 de março de 2008

ERA UMA VEZ NA AMERICA : As crianças que não o foram

fotos de Alfred Stieglitz, Dorothea Lange e  Lewis Hine

"In the deepening gloom of the Depression, the American Dream represented a reaffirmation of traditional American hopes”' (Anthony Brandt)




Slideshow de stills de "ERA UMA VEZ NA AMÉRICA". 










O culto dos retratos emoldurados, rostos fechados dentro de caixões.


de Cindy Sherman

domingo, 16 de março de 2008

Venusianas.


"O que me atrai nos brincos não é as mulheres terem-nos, é o momento em que os prendem na orelha, de queixo esticado e olhos vazios. A mesma expressão, aliás, ao procurarem as chaves na carteira. Parece que se ausentam. Depois voltam a estar ali ao rodarem a fechadura."

António Lobo Antunes.



RETRATO DE UMA SENHORA, António Soares

O REGRESSO DOS


BAUHAUS
Este mês é lançado Go Away While, o novo album dos ingleses Bauhaus.Em 1998, a “ressurreição” foi apenas uma sequência de recordações em palco, e em 2005, deram mais série de concertos. Em 2006 regressaram a estúdio para gravar mais um álbum, o seu primeiro de originais.


BELA LUGOSI'S DEAD (1980)

ARQUEOLOGIA DO ASFALTO


Objectos enterrados no asfalto de Nova-Iorque
projecto de Mike Mission.

400 Golpes


"With Les Quatre cents coups, François Truffaut enters both modern cinema and the classroooms of our childhood. Bernano's humiliated children. Vitrac's children in power. Melville-Cocteau's enfants terribles. Vigo's children, Rossellini's children, in a word, Truffaut's children - a phrase which will become common usage as soon as the film comes out. Soon people will say Truffaut's children as they say Bengal Lancers, spoil-sports, Mafia chiefs, road-hogs, or again in a word, cinema-addicts. In Les Quatre cents coups, the director of Les Mistons will again have his camera, not up there with the men like Old Man Hawks, but down among the children. If a certain arrogance is implied in talking about 'up there' for the over-thirties, 'down there' should also be taken as implying pride in the under-sixteens: Les Quatre cents coups will be the proudest, stubbornest, most obstinate, in other words most free, film in the world. Morally speaking. Aesthetically, too. Henri Decae's Dyaliscope images will dazzle us like those of Tarnished Angels. The scenario will be fresh and airy like that of Juvenile Passion. The dialogue and gestures as caustic as those in Baby Face Nelson. The editing as delicate as that of The Goddess. Precocity will reveal its cloven hoof as in The Left-handed Gun. These titles do not spring at random from the keys of my electric typewriter. They come from François Truffaut's list of the ten films of 1958. A charming and handsome family into which Les Quatre cents coups fits beautifully. To sum up, what shall I say? This: Les Quatre cents coups will be a film signed Frankness. Rapidity. Art. Novelty. Cinematograph. Originality. Imertinence. Seriousness. Tragedy. Renovation. Ubu-Roi. Fantasy. Ferocity. Affection. Universality. Tenderness."

Godard, Cahiers du Cinema 92, February 1959.

Amparar a alma.


PRINCESS IRON FAN

IRMÃOS WON, 1941
(filme completo)










Some Small Hours of this Afternoon.



THE YARON HERMAN TRIO
In the Wee Small Hours of the Morning


BERNSTEIN conducts
TCHAIKOVSKY SYM. 5


GLENN GOULD
Bach's The Art of Fugue


THELONIUS MONK QUARTET
Epistrophy



JOHN COLTRANE!
My favourite things



ERIK SATIE!
Gnossienne Nr1

Gymnopedia No 1

sábado, 15 de março de 2008

Thou Shalt Always Kill

sexta-feira, 14 de março de 2008

And it’s all over now, Baby Blue.


"The Wound that heals", de Soheir

Uccellaci e Uccellini

Introdução musicada de Ennio Morricone para Uccellaci e Uccellini de Pasolini (1966): 
https://www.youtube.com/watch?v=237CM6RZTdE


segunda-feira, 10 de março de 2008

Os anos sentados.


Cá estou sentado 
sozinho de todo 
no cinema 
e apetecia-me 
estar morto 
com lágrimas 
nos olhos, 
durante anos seguidos, 
e os dois braços 
apoiados cada um do seu lado da cadeira. 
(“Kino”, Wolf Wondratschek) 




La Marie du Port, Marcel Carné, 1950

Absoluto Mundo Instante.

"Que são as acções e os pensamentos dos homens ao longo dos séculos perante um único instante de amor?"
Holderlin

by Lara Jade



domingo, 2 de março de 2008

Michael,

dear Michael. Of course it's you, who else could they send, who else could be trusted? I... I know it's a long way and you're ready to go to work... all I'm saying is just wait, just... just wait and please just hear me out because this is not an episode, relapse, fuck-up, it's... I'm begging you Michael. I'm begging you. Try to make believe this is not just madness because this is not just madness. Two weeks ago I came out of the building, ok, I'm running across 6th avenue there's a car waiting, I've got exactly 38 minutes to get to the airport and I'm dictating. There's this panicked associate sprinting along beside me, scribbling in a notepad, and suddenly she starts screaming, and I realize we're standing in the middle of the street, the light's changed, there's this wall of traffic, serious traffic speeding towards us, and I... I freeze, I can't move, and I'm suddenly consumed with the overwhelming sensation that I'm covered in some sort of film. It's in my hair, my face... it's like a glaze... a coating, and... at first I thought, oh my god, I know what this is, this is some sort of amniotic - embryonic - fluid. I'm drenched in afterbirth, I've breached the chrysalis, I've been reborn. But then the traffic, the stampede, the cars, the trucks, the horns, the screaming and I'm thinking no-no-no, reset, this is not rebirth, this is some kind of giddy illusion of renewal that happens in the final moment before death. And then I realize no-no-no, this is completely wrong because I look back at the building and I had the most stunning moment of clarity. I... I... I realized Michael, that I had emerged not from the doors of Kenner, Bach, and Odeen, not through the portals of our vast and powerful law firm, but from the asshole of an organism who's sole function is to excrete the... the... the poison, the ammo, the defoliant necessary for other, larger, more powerful organisms to destroy the miracle of humanity. And that I had been coated in this patina of shit for the best part of my life. The stench of it and the sting of it would in all likelihood take the rest of my life to undue. And you know what I did? I took a deep cleansing breath and I put that notion aside. I tabled it. I said to myself as clear as this may be, as potent a feeling as this is, as true a thing as I believe I witnessed today, it must wait. It must stand the test of time, and Michael, the time is now!